segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Sardela

Gentemmmm! Tinha esquecido de postar a foto. Mil desculpas!!!

Acho que muita gente aqui não vai conhecer este antepasto. Na verdade, eu também não conhecia até morar em São Paulo. E é figurinha obrigatória em qualquer restaurante ou cantina italiana que se preze (de lá). Viciei! E agora que voltei para o Rio fico procurando em todos os lugares, mas aqui não é tão comum. Resolvi fazer a minha própria. Peguei essa receitinha do Zakuskas. Pela receita vocês podem perceber que trata-se de uma pastinha com gosto bem acentuado. Não é para qualquer paladar. Costumo dizer que não sou uma garota “queijo minas”, sou uma garota “gorgonzola”. Hahahahaha. Gosto de comidas com bastante tempero e gosto marcantes. Se vocês também são assim, deliciem-se! Ahhh, se a conserva for bem feitinha dura uns 2 meses na geladeira!




3 pimentões vermelhos grandes

3 dentes de alho

1 lata de filé de sardinha em óleo

50 g de aliche ou filé de sardinha anchovada

Molho de pimenta a gosto

Sal a gosto



Lave, limpe e corte os pimentões em pedaços médios. Numa panela grande, coloque o óleo da latinha da sardinha com os dentes de alho descascados e os pimentões. Tampe a panela e deixe cozinhar em fogo baixo mexendo de vez em quando.

Quando estiver bem cozido, coloque no liquidificador com a sardinha, o aliche e um pouquinho de molho de pimenta. Bata tudo e vá provando o sal e a ardência. Deixe esfriar e sirva com um pãozinho italiano...

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Momento Happy Hour: Tequila Sunrise

Este é um dos meus drinks favoritos! É colorido, refrescante e tem um sabor.... Daqueles que enganam, sabem? Você acha que está bebendo um suquinho... Mas depois de 2 drinks... Cuidado ao se levantar.. hahahahaha Tem esse nome, sunrise ou pôr-do-sol, pelo lindo degradée que forma pela mistura do suco de laranja com a groselha. A receita abaixo é a mais conhecida, mas existe uma outra com tequila, suco de laranja, suco de limão e licor de cassis que é igualmente fantástica!


Tenho recebido muitos comentários no “momento happy hour” de colegas que não bebem nada alcoólico. Este drink é perfeito para adaptação! Estou muito feliz que vocês tem gostado deste cantinho. Obrigada pelas visitas!



1 1/2 de tequila

3 partes de suco de laranja

2 colheres de chá de groselha ou grenadine



Num copo alto, coloque bastante gelo, a tequila e o suco de laranja. Por ultimo coloque a grenadine ou groselha e não mexa. Deixe que ela assente no fundo do copo. Tin-tin!

Feijoada

Verão e samba combinam. Verão, samba e feijoada mais ainda. Nada mais brasileiro que uma boa feijoada não é? Eu ADORO! Como não tenho hábito de comer feijão todos os dias, no dia em que como acaba se tornando um super evento! Esta aqui eu fiz já faz tempo mas, tinha esquecido de postar. Como ainda estou sem tempo resgatei esta receitinha super “brazooka” para vocês.




Para 14 pessoas

1 kilo de feijão preto

8 linguiças paio

400 gramas daquela linguiça fininha

800 gramas de carne seca

1 kilo de lombinho de porco

600 gramas de costelinha de porco salgada

200 gramas de bacon

1 cebola ralada

1 cabeça de alho

½ copo de azeite ou óleo



Começar na noite anterior colocando o feijão de molho em água. Também na noite anterior, coloque as carnes salgadas de molho em água. Troque de água umas 3 vezes até o dia seguinte. Corte as carnes de modo a facilitar o cozimento e a hora de servir.

No dia seguinte, dar uma fervura nas carnes salgadas apenas para retirar a gordura. Faça o mesmo com o feijão, ou seja, coloque o feijão na panela quando começar a ferver escorra bem e troque a água. A feijoada para esta quantidade de feijão demora em média 3 horas para ficar pronta. Fique atento ao relógio. As carnes possuem tempos diferentes de cozimento.

Coloque o feijão na panela e em fogo baixo adicione a água. Passada meia hora adicione a carne seca e o bacon. Passada outra meia hora, adicione a costelinha. Outra meia hora depois adicionar as linguiças e o lombinho. Mexa de vez em quando para não grudar no fundo da panela. Com o auxilio de uma escumadeira, vá retirando uma espuma densa que vai se alojando na beirada da panela. Se o caldo estiver ficando muito grosso, adicione mais água.

Quando a feijoada estiver quase cozida, numa frigideira, coloque o azeite e o alho (para dar uma leve dourada) quando o alho estiver quase pronto adicione a cebola e deixe ela amolecer um pouco.

Junte o refogado a feijoada e deixe pegar um pouco de gosto. Sirva com arroz, farofinha, couve e laranja.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Saladinha de Kani com Serpentina

Oi gente! Eu ando tão sem tempo para cozinhar ultimamente... E com esse calor que tá fazendo então... Sei que já devo estar virando uma chata que não para de reclamar do calor, mas eu não agüento...Me desculpem...Meu sonho de consumo era ter um ar-condicionado na cozinha, daqueles de congelar hahahahahah Já to sonhando acordada, olha... deve ter delírio de calor...


Com essa temperatura, so estando na praia mesmo. Aliás, esta sugestão aqui é ótima para ser preparada antes da praia. Depois, é so chegar em casa, tomar aquele banho refrescante e saborear bem geladinha..



6 bastões de kani desfiados

½ pimentão vermelho picadinho

½ cebola roxa picadinha

1 cenoura pequena ralada

3 colheres de sopa de maionese

1 colher de sopa de mostarda

Sal a gosto

Pimenta do reino a gosto

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Momento Happy Hour: Cucumber Martini ou Martini de Pepino

Gente, vocês não vão acreditar em mim. Mas este drink é feito com pepino mesmo. E eu não estou postando aqui coisas que eu não experimentei, não... Já experimentei e é bom demais! Claro que não foi assim tão fácil. O garçon do restaurante em Buenos Aires que eu estava jantando (Tegui – maravilhoso!) resolveu oferecer gentilmente este drink para minha mesa. Lógico que perguntei o que era. Mas o garçon insistiu que provássemos antes. Dito e feito. Provei e gamei e fiquei ao mesmo tempo pasma de ser feito com PEPINO. Pedimos váaarios depois da cortesia, pagando, é claro... Espertinho esse garçon, não?




1 e ½ dose de gim

1 pepino japonês

2 colheres de sopa de vermouth

Gelo


Comece preparando no dia anterior. Descasque o pepino e corte ele ao meio no sentido mais comprido. Retire a semente e corte e finas fatias. Pegue ½ dose do gim e junte ao pepino (como numa marinada). Deixe de um dia para o outro.

No dia seguinte, coe o gim e descarte o pepino. Numa coqueteleira junte o vermouth, o gelo e o restante do gim. Mexa bem, coe o gelo e sirva num copo de Martini.

*Foto retirada da Revista Época SP

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Pastinha com Espinafre e Frango

Final do ano vai se aproximando e vai dando uma preguiça de tudo... Parece que quando chegar no dia 1° de janeiro todas as nossas energias estarão totalmente renovadas, não é? Eu nunca entendi isto, mas o fato é que dezembro é o mês que nos sentimos mais cansados e em janeiro já sentimos uma sensação de renovação incrível! Deixemos os pratos complicados para janeiro. Agora em dezembro é só na molezinha, mas sem perder o sabor...




1 peito de frango

½ maço de espinafre

½ cebola cortada em fatias bem finas

250 gramas de macarrão caracolino

½ xícara de creme de leite fresco

2 dentes de alho

Suco de 1/3 limão

Sal a gosto

Pimenta do reino a gosto

2 + 2 colheres de sopa de azeite



Corte o frango em tirinhas. Tempere com sal, pimenta, o suco do limão e o alho amassado e reserve.

Corte a cebola e separe apenas as folhas do espinafre. Cozinhe o macarrão.

Numa panela bem quente, coloque 2 colheres do azeite e depois o frango. Deixe ele um pouco, até tomar um pouco de cor. Retire o frango da panela e reserve. Coloque as outras 2 colheres de azeite e some a cebola. Deixe que fique bem murchinha.

Adicione o espinafre e o frango. Quando o espinafre tiver murchado, adicione o creme de leite. Prove o sal e a pimenta. Na mesma panela, adicione o macarrão e misture bem.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Carne de Panela à Minha Moda

Eu já fiz uma carne parecida por aqui. Mas resolvi dar uma inovada e não é que ficou melhor? Acho esse lagarto de panela super prático, pois cai bem com um simples arroz, fica delicioso com um purezinho de batata inlesa ou de batata baroa. O bom mesmo é fazer mais quantidade para sobrar um pouquinho e ser devorado com delicioso pão fresquinho no jantar. Já viu isso? Ficar brava quando não sobra nada? Vai entender...




1 peça de lagarto sem gordura (800 a 900 gramas aprox.)

5 tomates grandes maduros

1 cebola média

5 colheres de sopa de molho shoyo

3 colheres de sopa de óleo ou azeite

3 dentes de alho

½ colher de chá de cominho em pó

½ colher de chá coentro em pó

½ colher de chá de pimenta do reino

Sal a gosto


Faça uns furos na carne com o auxílio de uma faca. Amasse o alho. Esfregue todos os temperos, menos o sal, juntamente com o alho na carne. Reserve.

Pique a cebola em pequenos pedacinhos. Lave bem os tomates. Retire o miolo e as sementes e coloque-os no liquidificador. Na função pulsar, triture os tomates até que fique líquido.

Na panela de pressão, coloque umas 2 colheres do óleo e deixe esquentar bem. Sele a carne, ou seja, deixe a carne ficar bem douradinha de todos os lados. Não se preocupe se o fundo da panela for ficando escuro. Esta é a intenção. Quando a carne tiver atingido este ponto, retire e reserve. Coloque o restante do óleo e a cebola. Vé mexendo bem para ir se misturando aos temperos grudados no fundo da panela. Junto o molho com os tomates, misture bem. Junte o molho shoyo. Prove o sal. Se necessário, adicionar mais. Some a carne a panela tampe-a e conte 50 minutos depois de ter pego pressão. Esse tempo amaciará bem a carne mas não a desmanchará.

Passado este tempo, retire a tampa de deixe mais uns 10 minutos em fogo médio até o molho tenha secado mais um pouco.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Momento Happy Hour : Cosmopolitan ou “Cosmo” para os íntimos


Quem ainda não conhecia o Cosmopolitan passou a conhecer depois da série ou filme “Sex and the City”. É o drink predileto das meninas mais descoladas da TV e do cinema mundial e tornou-se o drink símbolo de Nova Iorque. Virou praticamente atração turística tomar um “cosmo” num dos bares freqüentados pelas personagens do seriado. Se os gostos de Carrie Bradshaw e sua turma pelos modelitos fashion, às vezes, são um pouco questionáveis, eu não poderia dizer o mesmo quanto ao drink! É delicioso, levíssimo! Típico “drink de menina”. Não se iludam, não é doce, e vale a pena até a última gota.


30 ml de vodka

20 ml de cointreau (ou a mesma quantidade de triple sec)

20 ml de suco de cranberry (a venda em caixinhas de 1 litro em grandes supermercados)

5 gotas de suco de limão

gelo


Misture tudo numa coqueteleira e sirva numa taça beeem linda sem o gelo. Tin tin!

Saladinha de Bacalhau

Acho que esta aqui vai ser a minha primeira sugestão natalina! É rápida de preparar, saborosa e resistente as altas temperaturas do verão brasileiro. Rsrsrsrsr Ehhh... porque eu fico tensa quando tem alguma coisa com maionese nesse calorão. Acho que vai estragar em meia hora. Aqui não Rio eu não duvido. Preferi então sugerir esta opção que acentua bastante o sabor do bacalhau, já que não tem nenhum creme, molho para distrair a atenção. Ahhh, e ainda é super light. Espero que gostem. É uma entradinha “chic demais”. Porque simples é chic né, gente? Hahahahah





1 posta de bacalhau

Leite

3 batatas médias

½ cebola grande bem picadinha

3 colheres de sopa de azeitonas picadas (tanto faz se verdes ou pretas)

3 colheres de sopa de alcaparras

2 colheres de sopa de salsinha picadinha

2 colheres de sopa de vinagre de vinho branco

Pimenta calabresa a gosto

Azeite a gosto

Dessalgue o bacalhau e depois coloque a posta para cozinhar no leite. Quando você reparar que as camadas estão se soltando, é hora de desligar o fogo. Com a mão vá debulhando o bacalhau em lascas.

Descasque as batatas e cozinhe elas ainda inteiras até que fiquem macias. Não pode ficar muito mole. Depois de cozidas, corta-as em rodelas.

Junte os demais ingredientes e já está pronta! Coloque na geladeira e sirva bem geladinha. Se necessário depois de retirar da geladeira coloque mais azeite.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Bolo Caramelado com Banana

E dezembro está aí (será mesmo? Com esse tempo nublado)...Eu não sei como anda o tempo aí aonde vocês moram. Mas aqui em Juiz de Fora (passo os dias de semana aqui e finais de semana no Rio), só chove. Barulho de trovoada o tempo todo. Já prevendo como seria o final do dia e à noite, pensei num bolo bem aconchegante. Para tomar com aquele cafezinho bem cheiroso... Hummm


Fiz um bolo de banana diferente. Juro que não me tomou muito tempo. Na verdade é um bolo COM banana e não DE banana, já que não leva a fruta na massa. A massa ficou levíssima! Não tenham preguiça, batam as claras em neve porque sempre deixa o bolo mais fofinho. Espero que gostem!!



2 xícaras de farinha de trigo

3 ovos (separe a clara das gemas)

1 xícara de açúcar mascavo

1 xícara de açúcar refinado

2 colheres de sopa de manteiga ou margarina

1 xícara de leite

1 colher de chá cheia de fermento em pó instantâneo

1 pitada de canela

Para calda

¾ xícara de açúcar refinado

7 a 8 bananas nanica ou prata bem madurinhas

Comece pela calda. Eu usei uma forma de bolo inglês. Coloque o açúcar e leve ao fogo para formar a calda. Igual a de pudim. Depois corte as bananas em 3 ou 4 pedaços e disponha por cima do caramelo uma bem juntinha da outra. Reserve. Quando esfriar unte as laterais com manteiga.

Bata as claras em neve e reserve. Na batedeira, coloque a manteiga, os açucares e as gemas. Bata até formar um creme. Depois vá adicionando a farinha e intercalando com o leite. Bata bem. Com o auxílio de uma espátula, misture o fermento e a canela. Incorpore a massa. Por ultimo, misture cuidadosamente, também com a espátula, as claras em neve.

Leve ao forno pré-aquecido por aproximadamente 30 a 40 minutos. Desenforme ainda quente.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Babaganouche

Baba, o que?? Não seria mais fácil dizer pastinha de berinjela? Aí seria pastinha de berinjela e não babaganouche, oras? Lembram que o ultimo post foi de umas berinjelas no forno em que eu retirei toda a polpa para recheá-las? Pois bem... Fiz uma trouxinha de papel alumínio com toda aquela polpa dentro. Ao lado (da assadeira), coloquei mais 1 berinjela inteira furadinha com o garfo e foi tudo pro forno. Depois de 50 minutos estava tudo assadinho. Juntei com o tahine e mais uns temperinhos e voilá! Uma pastinha deliciosa para comer com torradinhas de pão árabe (ou qualquer outro pão)! Isso sim é reciclagem!


Agora é sério, gente! Eu nunca havia aproveitado a berinjela para essa finalidade. Posso garantir que o sabor ficou o mesmo caso eu tivesse assado todas as berinjelas inteiras furadinhas com o garfo, como manda o figurino.



2 berinjelas grandes (eu usei restos de polpa e mais 1 berinjela)

2 colheres de sopa de tahine

2 dentes de alho

2 colheres de sopa de cebola ralada

Suco de 1 limão

Sal e azeite a gosto



Coloque as berinjelas lavadas e furadinhas com um garfo no forno dentro de uma assadeira por 50 minutos ou até a berinjela esteja murcha. Se vocês forem reaproveitar a polpa da berinjela disperdiçada de uma outra receita, faça um pacotinho de papel alumínio e feche bem. Coloque também o alho com casca e tudo na assadeira.

Passados os 50 minutos, retire do forno e com o auxílio de uma colher retire toda a polpa da berinjela. Esprema o alho, misture tudo e deixe esfriar. Depois de frio, adicione a cebola, o tahine, o azeite e experimente o sal. Sirva com torradinhas. Se preferir, deixe um tempinho na geladeira até que fique bem geladinho.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Momento Happy Hour : Mojito!

Pessoal, essa semana eu trouxe um drink típico de Cuba. Eu tive a felicidade de conhecer este incrível país e pude experimentar o Mojito nos lugares mais tradicionais de lá. O mais engraçado é que bebe-se Mojito a qualquer hora do dia. Pela manhã, é feito com menos rum e mais soda para refrescar e à noite com mais rum do que soda para alegrar. Rsrsrsrs. Juro que esse da foto é o do dia. rsrsrsrsr





O mojito mais famoso de lá é preparado num bar chamado Bodeguita Del Medio. Ganhou fama por seu ilustre freqüentador, o famoso escritor americano Ernest Hemingway. Como ele diria “My mojito in la Bodeguita May Daiquiri in la Floridita”. É claro que também tomei esse famoso Daiquiri na Floridita, mas isso fica para um outro post.



1 dose de rum (50 ml)

1 limão cortado em 4 partes

1 colher de açúcar demerara ou mascavo

Club soda

Umas 8 a 10 folhinhas de hortelã


Amasse o açúcar com as folhas de hortelã. Esprema os limões e depois jogue-os dentro do copo. Coloque gelo e o rum. Depois é só completar com club soda e mexer bem. Faça sempre num copo alto. Tin-tin!

Berinjela de Forno

Sabe aquela comidinha com gostinho de casa da vovó? Me deu uma vontade de comer... Podem dizer o que quiser, eu adoro carne moída! As berinjelas também estavam bem simpáticas na prateleira do supermercado. Juntei uma vontade com a outra! Sei que a receita não tem nada de original. Mas este blog aqui também serve para dar idéias! E está aí, uma idéia para o final de semana! Super rápida de fazer e não suja quase nada. Vamos combinar: no final de semana dá uma preguiça de lavar a louça..... É a ultima coisa que quero fazer. Comi com uma saladinha de rúcula direto da horta e aquele arroz branquinho beeeem soltinho. Pode ser feito também como acompanhamento. Pena que não sobrou nadica de nada...Senão certamente teria um repeteco no jantar.




3 berinjelas pequenas

500 gramas de carne moída (uso patinho, que tem menos gordura)

½ xícara de molho de tomate

2 dentes de alho amassados

3 colheres de sopa de mussarela ralada

½ cebola pequena bem picadinha

Cominho a gosto

Pimenta a gosto

Sal a gosto

Azeite para refogar



Tempere a carne com o alho amassado, sal, pimenta e cominho. Reserve.

Corte a ponta da berinjela (a do cabinho) e depois ao meio no sentido mais comprido. Com o auxilio de uma colher ou boleador, retire o miolo deixando pelo menos ½ centímetro. Salpique sal por cima delas e coloque-as de virada para baixo por no mínimo 20 minutos para retirar o amargo.

Refogue a cebola e junta a carne. Mexa bem para que não forme bolinhos. Deixe que ela fique bem soltinha. Quando a carne estiver cozida, junte o molho de tomate e deixe mais 5 minutos no fogo.

Pegue as berinjelas e lave-as com água. Coloque-as sobre um refratário e cubra com a carne moída. Por cima, espalhe o queijo ralado.

Leve ao forno pré aquecido por uns 40 minutos coberto com papel laminado. É imporante para a carne não ressecar

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Bolo de Coco com Doce de Leite

Oi! Como passaram a semana? E ela está quase no fim e eu só apareci agora :(((((....Mas vim adocicar o espaço! No ultimo final de semana foi o aniversário de uma grande amiga de infância. Conheço ela desde que tenho 5 anos de idade, pode? É muito tempo... Para comemorar o aniversário e celebrar a amizade fizemos uma super feijoada no sábado! Ficou deliciosa! Depois coloco aqui o passo-a-passo da “feijuca”. Mas antes... O bolo de aniversário! A massa eu peguei inspiração do La Cucinetta. Mas o recheio, o xarope, o formato e a cobertura eu adaptei para facilitar e para atender ao gosto da minha tchurma. Aí vai!




200 gramas de manteiga sem sal

1 e 1/3 de farinha de trigo

¾ xícara de açúcar cristal

4 ovos

½ colher de cha de essência de baunilha

2 colheres de sopa de amido de milho

1 colher de cha de fermento

1 pitada de bicarbonato de sódio

¼ de xícara de coco ralado hidratado em ½ xícara de água fervendo



Xarope

1 parte de leite de coco (comprar)

1 parte de leite



Recheio e Cobertura

Doce de leite (para a forma de bolo inglês eu usei 400 gramas)



Pré-aqueça o forno a 180ºC e unte duas formas redondas de 20cm com manteiga.

Bata a manteiga e o açúcar na batedeira até ficar cremoso e fofo.

Adicione os ovos, um a um, batendo bem a cada adição. Junte a baunilha.

Numa tigela, peneire juntos a farinha, o fermento, bicarbonato e amido. Junte-os em três ou quatro partes ao creme da batedeira, incorporando bem.

Adicione o coco ralado com a água, misture até que fique uniforme e distribua a massa entre as formas. Parecerá que é muito pouco, só um dedinho de massa, mas os bolos vão crescer.

Leve ao forno por 25 minutos, ou até que estejam ligeiramente dourados, afastados das bordas da forma e um palito inserido no meio saia limpo. Deixe que esfriem na forma por 10 minutos, então desenforme sobre uma grade e deixe que esfriem completamente.

Molhe bem o bolo com o xarope e depois monte-o recheando com doce-de-leite e mais um pouquinho para a cobertura.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Dando início ao Momento Happy Hour : Clericot!

Oi pessoal! Resolvi dar uma agitada no nosso final de semana e começar a postar uma receita de drink as sextas-feiras para ir aquecendo os tamborins! Vamos fazer um happy hour?

Nesse primeiro post contarei como se prepara um CLERICOT!




O clericot nada mais é do que uma sangria de vinho branco. Alguns dizem que esta bebida foi inventada na Índia em meados do século XIX. A versão mais propagada da sua criação é que o clericot seria a evolução da sangria. A sangria teria sido inventada pelos espanhóis e a sua outra versão, o clericot, pelos franceses.


Verdade seja dita, não se vê muito clericot na frança, mas já na Espanha e na Argentina... Não consigo nem imaginar os franceses misturando gelo, conhaque, cointreau e soda no vinho???

Esta febre está chegando ao Brasil e já pode ser encontrado em restaurantes argentinos e espanhóis. É uma delícia e perfeito para o verão. Quem estiver em São Paulo, vale a pena conferir a do restaurante Che Bárbaro



1 maça

½ abacaxi

12 morangos

1 kiwi

1 laranja

1 dose de cointreau (50 ml)

1 dose de conhaque (50 ml)

2 colheres de sopa de açúcar

70 ml de soda

750 ml vinho branco

Gelo a vontade!



Pique as frutas e arrume numa jarra bem bonita. Coloque bastante gelo e adicione o resto dos ingredientes deixando o vinho para o final. Tin-tin!

* foto retirada da web

Pãozinho de Batata e Mozzarela

Ai gente... Virei a psicopata do pão! Como é gostoso de fazer e comer, nem se fala...Dessa vez eu precisava dar um destino para uma mozzarela já ralada que estava na geladeira. Me lembrei ao mesmo tempo da tentativa frustrada de fazer um pão de batata outro dia desses... Estava pesquisando na web algumas receitas e achei essa no blog João e o Fogão. A consistência e o sabor ficaram iguais aos daqueles que são vendidos naquelas lanchonetes de batatas assadas e recheadas, sabem? Da próxima vez vou rechear com um pedacinho de queijo. Não quero nem pensar..que delícia! Fiz a metade da receita e renderam 25 pãezinhos numa forma de quadrada de 33 cm. Obrigada, João por essa deliciosa receita!




500 gramas de farinha

1 ovo pequeno

150 gramas de batata cozida e espremida

¼ de copo de óleo de girassol

1 colher de sopa de açúcar

½ colher de sopa de sal

1 e ½ tablete de fermento biológico fresco

150 gramas de mozzarela ralada

Água morna



Num recipiente coloque o fermento, o açúcar, 50 gramas da farinha e um pouco de água. Misture e deixe descansar por uns 10 minutos. Junte os demais ingredientes, separando um pouquinho da mozzarela para a finalização. A batata espremida não deve estar quente. Vá amassando com as mãos e adicionando um pouquinho de água morna, bem pouquinho. Sove bem até que a massa desgrude das mãos e fique bem macia. Dê uma surra por volta de 10 minutos.

Coloque num recipiente coberto e deixe descansar dentro do forno desligado por mais ou menos 50 minutos.

Faça bolinhas do tamanho de um limão e vá arrumando numa assadeira untada com uma distância de 1 cm para cada bolinha.

Feito isso, coloque um copo de água filtrada do lado e mergulhe bolinha por bolinha na água e devolva a posição na assadeira.

Pincele as bolinhas com uma mistura de 1 gema com um pouco de azeite. Por cima de tudo, coloque um pouco de muzzarela ralada.

Leve ao forno médio a alto por mais ou menos 30 minutos. Pré-aquece apenas 5 minutos antes.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Torta de Maça Deliciosamente Fácil

Oi pessoal! Estou muito chateada que ando sem tempo para postar novas delícias! Para compensar, aí vai uma receita de torta de maça super especial! É muuuito fácil de fazer e realmente fica um espetáculo. Tirei desse site aqui.


A massa fica muito fininha e crocante. Mas para conseguir esse efeito a manteiga e a água que vão na massa devem estar super geladas! Outra dica é manipular o mínimo possível a massa. Eu fiz com as mãos mesmo por pura preguiça de usar o processador. Deve ficar ainda melhor.



Massa ( para 1 tabuleiro de 33cm por 24 cm aprox.)

2 copos de farinha de trigo

200 gramas de manteiga sem sal gelada cortada em pequenos cubinhos

1 colher de chá rasa de sal

1 ovo + água gelada (coloque o ovo dentro de um copo, mexa bem com um garfo, encha até chegar a metade com água bem gelada)


Cobertura

6 maças Fuji

Açúcar

Canela

Suco de 2 limões



Calda

Cascas e miolos das maças

1 copo de água

1 copo de açúcar



Para a massa coloque a farinha e a manteiga dentro de um recipiente e misture com a mãos cuidadosamente. Na verdade, misture como se estivesse muito quente e você quase não conseguisse tocar. A idéia é ainda ficar com bolinhas de manteiga. Neste momento, adicione o sal e o ovo mais a água. Continue misturando sem amassar muito. Quando chegar ao ponto de uma mistura homogenia, coloque dentro de um saco plástico e leve a geladeira por no mínimo 1 hora.

Descasque as maças reservando a casca e o miolo. Corte a maça em 4 partes e depois fatie finamente todas elas. Deixe num recipiente com o suco dos limões para não escurecer.

Leve as cascas e miolos da maça ao fogo junto com 1 copo de água e 1 copo de açúcar por aproximadamente 30 minutos. Coe e reserve.

Abra a massa numa bancada bem limpa e enfarinhada e transfira a massa para a assadeira. Não é ncessário untar. Faça uma pequena bordinha só para dar o acabamento.

Vá colocando as maças em fileiras como nas fotos. Salpique açúcar e canela por cima e leve ao forno pré aquecido por aproximadamente 45 minutos ou até que a maçã e a massa estejam douradas.

Retire do forno e com a ajuda de um pincel “lambuze” toda a torta com a calda feita com as cascas da maçã.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Pizza a la Pizzaiolo

Oi gente! Ontem me deu uma vontade de comer pizza... Vocês nem imaginam. O único problema é que atualmente passo os meus dias de semana numa fazenda que fica a 15 km da civilização mais próxima e nada, nada mesmo entrega aqui. Como eu tinha fermento biológico seco aqui resolvi experimentar minha primeira pizza caseira, quer dizer, feita por mim. Peguei a receita do livro do Mundo dos Pães do Benjamin Abrahão. Já postei algumas receitas desse livro. Mas adaptei alguns ingredientes. Ficou deliciosa! Recomendo! Super levinha e super sequinha. Não poderia ter matado a mina vontade de melhor maneira.




Massa

500 gramas de farinha de trigo

8 gramas de fermento biológico seco

1 copo de água

1 colher de sopa de leite em pó

1 colher de chá de sal

1 ovo

50 gramas de margarina



Molho

1 lata de tomate sem pele

3 colheres de sopa de polpa de tomate

3 dentes de alho amassados

2 colheres de sopa de azeite

1 pitadinha de açúcar

Orégano

Pimenta

Sal


Cobertura

2 dentes de alho em fatias muito finas

½ pimentão vermelho pequeno em fatias muito finas

½ cebola cortadas em fatias muito finas



Separe 50 gramas da farinha e junto com o fermento e um pouco de água. Misture e deixe descansar por uns 10 minutos até que tenha se formado uma esponja. Misture a todo o restante do recipiente até vá se formando uma bola. Transfira para uma superfície enfarinhada e sove a massa que ela tenha um aspecto macio (mais ou menos 10 minutos). Corte a massa em 3 pedaços e deixe as bolinhas descansarem por mais ou menos 30 minutos em superfície enfarinhada e cobertas por um pano limpo. Cuidado para não deixar no mármore, pois é muito frio para as massas.

Com a ajuda de um rolo, abra a massa e coloque sobre a assadeira. Cubra com o molho e leve para pré-assar em forno pré-aquecido. Quando a massa estiver quase cozida (mais ou menos 13 minutos), retire do forno e deixe esfriar. Adicione o queijo e demais coberturas. Leve novamente ao forno para terminar o cozimento e até que o queijo esteja totalmente derretido. Forno deve ser o mais quente possível. Cada bolinha serve para assadeiras de 25 cm de diâmetro.

Para o molho: numa panela esquente o azeite e coloque o alho para refogar. Junte a lata de tomate pelado, a polpa do tomate, o açúcar, o sal e o orégano. Deixe cozinhando em fogo bem baixo por 10 minutos. Retire do fogo, deixe esfriar e bata no liquidificador, ou direto na panela no Mixer, se tiver. Sugiro fazer o molho antes de tudo para já ir esfriando.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Pargo ao Forno com Ervas Frescas

Adoro essa receitinha. Fica saborosa, não dá trabalho e não tem quem não goste. O mais importante sempre é que o peixe seja fresco. Na verdade, essa receita é inspirada na do restaurante Satyricon (RJ). A diferença é que a Satyricon não é recheada com ervas. O peixe é assado apenas com o sal grosso, que não deixa que ele perca o sabor e a umidade. Às vezes as coisas mais simples da vida são aquelas que nos enchem mais de prazer. Peixe e sal, quem diria? Transformou um simples almoço num banquete super saboroso!





1 pargo de mais ou menos 1 kilo

Sal grosso

Funcho ou dill

Salsinha

Alecrim

Limpe bem o pargo retirando todas as víceras. Recheie a barriga do peixe com as ervas frescas a gosto. Eu usei estas que escrevi acima, mas você pode usar as que quiser. Pegue uma assadeira e cubra com papel alumínio. Deixe uma folga caso queira servir o peixe em um outro recipiente. Faça uma cama de sal grosso e coloque o peixe por cima. Cubra o peixe com mais sal grosso.

Leve ao forno pré-aquecido por mais ou menos 40 minutos.


sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Sopa de Abóbora com Carne Seca

Não sou lá muuuito fã de sopa, não. Pronto, falei! Digamos que não seja um dos meus pratos prediletos. Mas não tenho andando muito bem do estômago esses dias e resolvi fazer uma sopinha quase sem gordura. Mas quase sem gordura não significa quase sem tempero. O resultado surpreendeu as minhas expectativas. Ficou muito saborosa. E o melhor: light! Pena que as fotos não ficaram boas. Essa foi a melhor que consegui.




400 gramas de abóbora em cubos

½ cebola picada em cubos

1 cenoura pequena em cubos

150 gramas de músculo em pedaços grandes

1 tomate sem pele e sem semente picado

3 copos de água

Pimenta rosa moída a gosto

Cominho moído a gosto

Sal a gosto

2 colheres de sopa de azeite

100 gramas de carne seca já dessalgada e desfiada em pequenos pedaços


Numa panela de pressão refogue a cebola no azeite depois junte a cenoura, a abóbora o tomate, o músculo. Misture bem e deixe pegar um pouco de gosto. Adicione a água e feche a panela. Quando começar a pegar pressão conte 15 minutos. Deixe a pressão sair com calma e abra a panela. Retire os pedaços do músculo e coloque todo o conteúdo no liquidificador. Bata até que vire um creme. Retire do liquidificador e devolva para panela. Adicione a pimenta o cominho e o sal a gosto. Espere mais uns 5 minutos até que a sopa pegue o gosto dos temperos. Sirva a sopa e coloque um “montinho” de carne seca no meio do recipiente.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Doce de Banana da Vovó

Docinho caseiro é tudo de bom. Os outros mais sofisticados também são tudo de bom. Mas às vezes, bate aquela vontade de sentir o gostinho da infância ou do carinho de uma avó, pai, mãe. Para mim, esses docinhos de fruta têm um sabor que vai além do próprio sabor. Mexe com a cabeça e com o coração também. É o tipo de comida que faz bem para alma.


Ótima semana para todos!!



12 bananas prata maduras (pode ser nanica)

2 copos de açúcar

2 copos de água

1 pau de canela

Cravo da índia a gosto



Numa panela coloque todos os ingredientes menos a banana e espere o açúcar dissolver. Adicione as bananas. O tempo de cozimento para essa quantidade é de aproximadamente 1 e ½ a 2 horas em fogo bem baixo. No início do cozimento, preste atenção, pois o caramelo cria uma espuma que pode transbordar da panela. Com uma escumadeira vá retirando a espuma. Não precisa ficar mexendo durante o cozimento. Mexa de vez em quando para ter certeza de que as bananas não grudaram no fundo e de que o caramelo não esta ficando muito grosso. Se vocês notarem que o caramelo está muito grosso, adicionem mais água.

Algumas dicas são essenciais para o sucesso do doce:

- fogo baixo

- bananas maduras

- retirar toda a espuma espessa

- prestar atenção no ponto do caramelo

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Bistequinhas de Porco com Molho de Abacaxi e Ostras

Me deu uma vontade de comer uma bistequinha... Daquelas bem douradinhas, sabe? E me lembrei que tinha um abacaxi super docinho aqui em casa. Aproveitem! A safra daqueles abacaxis deliciosos produzidos em Marataízes-ES já começou! Eu ia até colocar umas fatias no refratário para assar juntamente com a carne e as batatas. Teria ficado ótimo! Mas eu queria mesmo um bom feijãozinho preto e arroz branco soltinho e achei que não iria combinar muito. Fica para um outro dia.... No final das contas a bistequinha ficou tão macia que esqueci de todo o resto...








Ingredientes


4 bistecas de porco

1 batata grande sem casca e cortada em quadradinhos


Para a molho (e marinada)

½ xícara de suco de abacaxi fresco

¼ de cebola ralada ou picada bem pequena

3 dentes de alho amassados

2 colheres de chá de açúcar (de preferência mascavo)

3 colheres de sopa de molho de ostra

3 colheres de sopa de azeite

1 colher de chá de pimenta cayenne moída

Sal a gosto

Misture todos os ingredientes da marinada e coloque por cima das bistecas num saco plástico. Deixe na geladeira de 1 a 2 horas. Pré-aqueça o forno a 200 °C.

Disponha as bistecas e as batatas num refratário e leve ao forno por mais ou menos 50 minutos ou até que tudo esteja dourado.

Se durante o cozimento as bistecas estiverem ficando ressecadas, jogue um pouco mais de molho por cima delas.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Bolo de Iogurte com Calda de Mel e Limão

Esse bolo também poderia se chamar “cura resfriado”. Mel, limão, iogurte.... Rsrsrsr... Brincadeiras à parte, ideal para quem ama como eu o sabor azedinho-doce. A massa dele ficou bem firme, mas ao mesmo tempo muito leve. Ele ficou meio branquelo por cima, mas está perfeitamente assado. Acho que já disse isso aqui, o iogurte dá uma leveza incomparável as massas de bolo. Eu tenho feito quase todos substituindo o leite pelo iogurte e tenho gostado cada vez mais.Já não é a primeira vez que faço esse bolo e tenho diminuído mais e mais a quantidade de açúcar da massa e aumentado a quantidade de mel da calda. Porque não tentar fazer algo mais saudável, não é?




3 ovos

1 copo de 200 gramas de iogurte natural

1 e 1/2 copos de açúcar refinado peneirado

1/2 copo de óleo de milho ou canola

3 copos de farinha de trigo peneirada

1 colher de sopa de fermento em pó

1 colher de sopa de raspas de laranja ou limão

1 pitada de sal

** Utilize o copo do iogurte como medida


Pré-aqueça o forno a 180ºC.

Bata no liquidificador os ovos, o iogurte, o açúcar e o óleo, até obter um creme liso e brilhante.

Num recipiente, junte o conteúdo do liquidificador com os demais ingredientes, misturando bem até obter uma massa homogênea. Deixe sempre o fermento por ultimo.

Coloque a massa em uma forma com um furo no centro, untada e enfarinhada.

Leve ao forno até dourar e espetando um palito, o mesmo saia limpo.


Para a calda

½ xícara de mel

½ xícara de água

¼ xícara de suco de limão coado

Coloque em uma panelinha todos os ingredientes. Quando ferver conte 5 minutos e está pronta. Faça uns furinhos com um garfo no bolo e jogue a calda ainda quente.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Focaccia Meio a Meio

“Gennntemm”....Se desse para postar o perfume que essa focaccia deixou na casa inteira no dia que eu fiz...Mas alguém já deve estar inventando isso, não é? Bom, espero que sim. Já pensaram que fantástico seria poder ver e sentir o cheiro dos posts? Muito bacana...Mas voltando a realidade, você vão ter que se contentar com as fotos mesmo..E olha que sou péssima fotógrafa rsrsrsrs Mas... é o temos para hoje. Façam, façam, façam! Façam 2 receitas ao mesmo tempo, variem bastante as coberturas.. Todo mundo vai gostar.




Massa (rende um tabuleiro retangular médio)

¾ do saquinho de 10 gramas de fermento biológico seco

2 ½ xícaras de farinha de trigo

1 colher de chá de açúcar

200ml de água morna

1 colher de chá de sal

6 colheres de sopa de azeite extra-virgem



Esponja: Num recipiente pequeno coloque 50 ml da água morna, o fermento e o açúcar. Dissolva o fermento. Deixe descansar por 10 minutos até que fique com aspecto esponjoso

Num recipiente maior junte a farinha e o sal refinado. Faça um buraquinho no meio e derrame o fermento, o restante da água e o azeite. Misture tudo com uma colher. Quando os indredientes estiverem bem misturados, passa para uma superfície enfarinhada e comece a sovar a massa fazendo movimentos para frente e para trás com o punho até a massa começar a desgrudar das mãos, por aproximadamente 5 minutos. Vá adicionando mais farinha, se julgar necessário. Coloque a massa numa vasilha grande e limpa e cubra com um pano também limpo. Deixe descansar por +ou- 1h30minutos. Quando tiver dobrado de tamanho, ligue o forno. Coloque novamente a massa na bancada enfarinhada e sove por mais 1 minuto. Unte um tabuleiro com azeite, vá abrindo a massa com o auxilio das mãos. Modele a massa com os dedos fazendo uma espécie de covinha.




Cobertura

Você pode inventar a cobertura que quiser. No caso, eu fiz meio a meio. Cortei umas cebolas em pedacinhos bem pequeninos e refoguei no azeite (não esqueça de deixar esfriar. Faça enquanto a massa estiver crescendo). A outra metade foi a tradicional sal com alecrim. Eu não usei sal grosso. Fiz com sal marinho moído na hora. Se for usar sal grosso, recomendo moê-lo também, pois os grãos são muito grossos e pode ficar desagradável ao paladar. Ahh, aproveitei e também coloquei um pouco de sal em cima das cebolas.

Leve ao forno pré-aquecido 220C° por aproximadamente 30 minutos ou até as bordas começarem a ficar douradas.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Batata Rosti

Bem gente... a batata não ficou muito bonita não, confesso. Mas ficou super saborosa e por isso resolvi postar aqui e contar aonde acho que errei. Bem, vamos logo ao erro: a frigideira precisa ser anti-aderente. Não adianta usar outra. Como eu não tinha aqui uma anti-aderente do tamanho adequado para a minha quantidade de batatas, resolvi usar uma outra. E aí, dancei... Para evitar que ela grudasse toda no fundo, tirei antes de ficar dourada. Mas foi só isso. O gosto ficou perfeito, mas quase coloquei elas no "jet-bronze" para postar para vocês rsrsrsrsrsrsr


O pulo do gato da receita é cozinhar as batatas inteiras com a casca pelo menos 12 horas antes de fazer o prato e deixá-las descansando até o momento de ralá-las. Façam, tenham certeza que a de vocês vai dar certo e ficar linda!!!

Essa é a receita básica. Mas dá para acrescentar bacon, requeijão, carne-seca.... O que a imaginação e o gosto permitir




Ingredientes (para 2 pessoas)


2 batatas inglesas médias lavadas e com casca

1 colher de sopa de manteiga

1 colher de sopa de óleo de girassol

Sal e pimenta a gosto



Cozinhe as batatas inteiras e com casca e um pouco de sal por 15 minutos. Retire e reserve por pelo menos 12 horas (não precisa colocar na geladeira).

Descasque as batatas e rale num ralador grosso. Tempere com sal e pimenta manipulando bem grosseiramente as batatas para que elas não se juntem.

Numa frigideira anti-aderente derreta a manteiga e o óleo em fogo médio. Coloque as batatas e de umas 3 mexidas até que todas peguem gosto. Com uma espátula, vá delicadamente dando forma dos lados e pressionado as batatas contra a frigideira. Deixe elas dourando por mais ou menos 10 minutos.

Vire a frigideira com muito cuidado sobre um prato e sirva! Se quiser dourar também do outro lado, deslize gentilmente a batata que esta no prato novamente para a frigideira. Neste caso, antes coloque um pouco mais de manteiga e óleo.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Carne na Cerveja

Todo mundo tem uma receitinha de carne com cerveja, não é mesmo? Eu acho o mais gostoso de tudo isso é que para essas receitas não precisa usar um pedaço de carne extremamente macio. A própria cerveja e o tempo de preparo já vão se cuidar de deixar a carne beeemm gostosinha e macia. A alcatra nem precisa de tanto tempo assim. Mas uma meia hora vai fácil. Se forem utilizar um corte de carne mais duro, dá para fazer na panela de pressão, tranquilamente, com o mesmo tempo de cozimento.


Ontem mesmo usei cerveja para temperar outra carne e numa preparação no forno. É muito versátil! Fiz uma perdiz no forno regada na cerveja. Ficou igualmente deliciosa. Outro dia posto para vocês.



Ingredientes

350 gramas de miolo de alcatra

2 dentes de alho amassados

1 tabletinho de caldo de carne

1 garrafa de cerveja long neck

Cebolinhas para conserva (eu usei 4 porque só tinha 4. Se tivesse mais usaria - AMO)

2 colheres de sopa de farinha de trigo

70 gramas de ervilhas congeladas

Sal e pimenta a gosto

3 colheres de sopa de óleo de girassol



Corte a carne em cubinhos de 1,5 cm e tempere com sal, pimenta e o alho amassadinho. Esquente bem o óleo numa panela e refogue bem a carne. Esfarele o caldo de carne e continue mexendo até que ele tenha desmanchado todo. Adicione as cebolas. Some a cerveja e cozinhe em fogo médio com a panela meio tampada por uns 30 minutos. Se depois deste tempo ainda estiver com muito caldo, destampe totalmente a panela e aumente o fogo. Numa xícara, coloque um pouco do caldo do cozimento e dissolva a farinha de trigo. Adicione novamente a panela e misture bem. Coloque as ervilhas ainda congeladas e conte 4 minutos. Após este tempo basta desligar o fogo e servir. Ahh, não esqueça de provar o sal.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Ganhei Selinhos, Ganhei Selinhos!!!

Queridas Paty do Na Casinha da Paty e Andrea do Delícias da Andrea!! Adorei os selinhos que ganhei. Vocês são umas fofuras! Muito obrigada!!!
Resolvi fazer um post coletivo, pois os selinhos são diferentes. Acho que não tem problema, não é???? Ahh, e aproveitei e inverti. Ofereci o que ganhei de cada uma para a outra!

Ahh, a listagem com os premiados de cada selinho encontram-se abaixo do respectivo selo!






Fiquei muito feliz em receber este selinho, afinal este prêmio visa reconhecer e premiar o trabalho de todos os blogueiros espalhados por aí!



Existem umas regrinhas que vocês já conhecem, mas vamos lá!

1 - Criar um artigo sobre o prêmio.

2 - Criar um link do blog que o indicou.

3 - Indicar 12 blogs p/ Sunshine Awards (não tem problema indicar para alguém que já recebeu)

4 - Informar aos indicados sobre o prêmio



Amehlia - http://amehliadigital.blogspot.com/

Andréa - http://www.aromasesabores.com/

Flavia - http://artenacozinha.blogspot.com/

Ana - http://comidinhasdamiss.blogspot.com/

Ana - http://ananacozinha.blogspot.com/

Cris - http://kitutisdacris.blogspot.com/

Luísa - http://luisaalexandramarques.blogspot.com/

Isabel - http://sitiodasdelicias.blogspot.com/

Akemi - http://pecadodagula.blogspot.com/

Xana - http://ratatuidospobres.blogspot.com/ 

Andrea - http://andreaquitutes.blogspot.com/  

Suely - http://culinariasaborecor.blogspot.com/






Regras:

1 - "Colocar o selinho no seu blog"

2 - Criar uma postagem falando do selo que você recebeu.

3 - Linkar o blog pelo qual você recebeu o selo.

4 - Dar o selinho para mais 10 blogs.

5 - Colocar no seu blog os links de todos 10 blogs presenteados"

6 - Informar os blogs presenteados por meio de mensagens ou comentário.



Paty - http://nacasinhadapaty.blogspot.com/

Sonia - http://soniameirinho1988.blogspot.com/

Maura - http://traineedecozinheira.blogspot.com/

Patricia - http://cocoebaunilha.blogspot.com/

Daniana - http://cozinhasemdrama.blogspot.com/







Beijinhos em todos!!!
Juju

Salada de Batata Frita

Quem é do Rio de Janeiro provavelmente vai conhecer um restaurante chamado Gula Gula. Eu adoro a maioria dos pratos do cardápio. As saladas são a sensação. Entra ano e sai ano, o cardápio é renovado, e essa salada está lá, firme e forte! Eu acho que o que esta salada tem demais, na verdade, é não ter nada demais. Trata-se de uma mistura de ingredientes simples, que todo mundo tem a mão, mas que fica deliciosa! De light não tem nada, mas a gente consegue deixa-la menos calórica usando maionese e creme de leite light. Provem, vale a pena!




2 cenouras médias raladas

650 gramas de frango cozido e desfiado (

70 gramas de ervilha

80 gramas de milho verde

80 gramas de passas pretas sem semente

Batata palha (a gosto)



Molho

150 ml de maionese

100 ml de creme de leite

60 ml de ketchup

¼ de cebola pequena ralada

½ colher de café de azeite

½ colher de café de mostarda

sal


Misture primeiramente os ingredientes do molho. Numa vasilha, misture os ingredientes da salada e tempere com o molho. Deixe na geladeira algum tempo antes de servir. Cubra com a batata palha apenas na hora de servir para não murchar.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Pão de Canela

Olha eu aqui de novo fazendo pão... Viciei, tomei gosto pela coisa. É lindo ver o pão crescer, estou apaixonada pela fermentação. Dessa vez resolvi fazer um pãozinho doce. Desejo, sabe? Essa semana fui na padaria comprar um pão doce e já tinha acabado! Quer dizer, não consegui tirar isso da cabeça de jeito nenhum. Eu já tinha selecionado algumas receitas de pão de canela (ou cinnamon rolls) que estava com vontade de fazer. Optei por essa aqui do Technicolor Kitchen mas alterei/arredondei/acrescentei algumas coisinhas. Ficou bom demais, pessoal! Se forem fazer esta mesma receita, não deixem a calda de fora achando que vai ficar doce demais, porque não vai. Mas se não gostarem da calda, basta caprichar no recheio colocando mais açúcar e canela. Do contrário, o pão não vai ficar como ele deve ser: doce e com gosto de canela.





Massa:

500g de farinha de trigo

10 gramas de fermento biológico fresco

250ml de leite

50g de açúcar

50g de margarina

1 ovo


Recheio:

50g de açúcar

2 colheres de chá cheias de canela em pó

40 gramas de manteiga derretida


Calda:

100 ml de água

50 gramas de açúcar

2 colheres de chá de canela



Misture metade da farinha de trigo com o fermento na tigela da batedeira. Em uma panelinha, aqueça o açúcar, o leite, a manteiga, mexendo para derretê-la e sem deixar a misturinha esquentar demais (deve ficar morna). Junte aos ingredientes secos e adicione o ovo. Bata na velocidade baixa por 1 minuto, mude para a velocidade alta e bata por mais 2 minutos.

Adicione aos poucos o restante da farinha e misture com uma colher de pau até obter uma massa macia. Se necessário, adicione um pouco mais de farinha. Coloque numa superfície levemente enfarinhada e sove até ficar elástica (uns 5 minutos) e faça uma bola. Coloque numa tigela levemente pincelada com óleo ou manteiga e vire a bola uma vez para que a parte de cima fique untada. Cubra com filme plástico e deixe crescer mais ou menos 1 hora.

Antes
Depois de 1 hora...


Pegue a massa e dê um soco nela. Divida em duas partes e deixe descansar mais 10 minutos. Abra cada parte da massa com um rolo e faça um retângulo comprido. Misture os ingredientes do recheio e pincele metade em cada parte de massa. Feche como se fosse um rocambole, começando pelo lado menor -
belisque o final da massa para vedar bem e evitar que o recheio vaze. Corte os rolinhos.


Coloque em formas untadas, cubra e deixe crescer novamente por 35-40 minutos.

Asse em forno pré-aquecido (190ºC) até que dourem (cerca de 30 minutos).

Coloque os ingredientes da calda numa panela e cozinhe até que a calda tenha
 engrossado um pouco. Jogue por cima dos pães.




quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Torta de Frango Democrática

Cheguei na fazenda hoje após o feriadão e o que eu encontro na geladeira: NADA. Eu abro a dispensa e o que tem lá: COISA NENHUMA. Bem, considerando essas circunstâncias resolvi fazer uma torta de frango. Afinal, a torta por si só já podia fazer as vezes de uma refeição completa. Fiz literalmente com o que achei. Cenoura e cebola eu tinha. Espinafre e salsinha, peguei na horta. O milho e o creme de leite foram da lata mesmo. Rsrsrsrs E não é que a danada ficou gostosa? Façam com o que tiverem na geladeira e na dispensa. E se não tiver creme de leite, vai sem também. Preparem uma misturinha de farinha diluída no leite e mandem brasa! Comecem pelo recheio porque ele precisa estar em temperatura ambiente.






Massa Podre

3 xícaras de farinha de trigo

½ xícara de margarina

½ xícara de leite

½ xícara de óleo (eu usei de girassol)

1 colher de sopa de fermento em pó

1 gema

Sal a gosto



Misture todos os ingredientes, mas não sove a massa. Embrulhe num plástico ou papel filme e coloque na geladeira por meia hora. Abra a massa numa superfície lisa com um pouco de farinha



Recheio

1 peito de frango

½ tablete de caldo de frango ou legumes

½ lata de milho verde

2 cebolas cortadas em tiras

Salsinha picadinha

1 xícara de queijo parmesão ralado

1 xícara de folhas de espinafre

1 cenoura ralada

1 lata de creme de leite sem soro

1 colher de sopa cheia de margarina

2 colheres de sopa de azeite

3 dentes de alho

Sal e pimenta a gosto



Cozinhe o frango em água com sal e o caldo de legumes ou de frango. Reserve ½ xícara da água do cozimento. Desfie o frango e reserve.

Refogue a cebola numa panela com a margarina e o azeite por aproximadamente 10 minutos. Retire a cebola e reserve a gordura que ficou na panela. Nesta mesma panela, doure um pouco o alho e adicione o frango, o milho, o espinafre e a água do cozimento do frango para os sabores se misturarem. Quando a água tiver evaporado devolva a cebola para a panela e misture bem Apague o fogo e misture por ultimo a cenoura e o creme de leite. Não esqueça de provar o sal. Deixe o recheio esfriar completamente.



Abra a massa e forre uma forma de fundo removível. Coloque o recheio e decore a parte de cima. (Eu não gosto de fechar completamente a torta). Pincele a massa com 1 gema. Leve ao forno pré-aquecido por uns 40 minutos ou até que esteja douradinha.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Pão de Calabresa

Oi gente!!! E não é que eu animei com esta história de pão!! Este é o meu segundo pão super bem sucedido da vida! Dessa vez resolvi fazer este de calabresa. Encontrei aqui escondido no armário o livro do Benjamin Abrahão. Para quem nunca ouvi falar, este senhor dá nome a uma das padarias mais prestigiadas de São Paulo. O cara é fera mesmo! Tudo que eu já comi de lá estava maravilhoso! E ele dividiu suas receitas incríveis com a gente num livro! Vou prestigiá-lo ainda bastante. Espero que gostem!






Receita  (Adaptado do Livro O Mundo dos Pães de Abrahão, Benjamin - 7ª edição)

500 de farinha de trigo

25 gramas de fermento biológico

1 colher de sopa cheia de margarina

10 gramas de sal

15 gramas de açúcar

100 gramas de lingüiça calabresa (ou mais tá gente, depende do gosto)

1 ovo

250 ml de água (mais ou menos)



Num recipiente (grande) misture umas 50 gramas da farinha com o fermento e um pouco da água. Faça uma esponja e deixe descansar por cerca de 15 minutos. Após este tempo, misture todos os demais ingredientes dentro do recipiente. Comece misturando com uma espátula e depois vá com as mãos mesmo. Misture até que a massa fique macia. Se necessário, acrescente mais farinha. O ponto desta massa não desgruda totalmente das mãos. Deixe descansar por cerca de 25 minutos coberta por um pano de prato. Após este descanso, modele o pão da maneira que quiser, numa superfície enfarinhada e coloque num tabuleiro untado coberto pelo pano de prato. Nesse momento já ligue o forno a 200 °C. Quando a massa tiver dobrado de tamanho, salpicar um pouco de água e levar ao forno por cerca de 25 minutos.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Pão de Azeitonas e “Alegrinho”!!

Nem sem explicar para vocês a minha emoção. Consegui fazer um pão delicioso!!!!!! Confesso que não tentei tantas vezes assim, porque rola aquele mito de que fazer pão é muito complexo. Auto lá! Longe de mim dizer que aprendi a fazer pão. Mas já posso dizer que este eu aprendi. Confiante que estou, espero conseguir o feito mais vezes.


Peguei a receita do maravilhoso La Cucinetta e a Ana é absolutamente milimétrica nas quantidades e explicações. Com certeza isso ajudou bastante! De tão desacredita que eu estava fiz apenas meia receita (droga!) e me arrependi totalmente. Não sobrou nadica de nada. Foi embora no lanche da noite!

E o melhor que este pão é super coringa e já vi que podemos colocar os mais diversos “recheios”. Me sinto super confiante!!!! Olha como ficou lindo???

Ahh, deixa eu explicar o “alegrinho”. Quem já viu o filme “Estômago” sabe o que eu estou falando. É de um personagem super engraçado que chama alecrim de “alegrinho”. Vale a pena assistir!





Receita


15 gramas de fermento ativo fresco

3 colheres de sopa de azeite de oliva

1 colher de chá de açúcar

3 e ¼ xic. farinha de trigo

1 e ½ colheres de chá de sal

1/3 xícaras de azeitonas pretas sem caroço (eu usei azeitonas verdes)

1/2 colheres de sopa de alecrim fresco picado (eu usei seco mesmo)



Coloque o fermento numa tigela grande com o azeite, o açúcar e 1 xícara de água morna. Deixe descansar por 10-15 minutos, até que espume (se não espumar NADA, comece de novo com um fermento mais fresco).

Junte a farinha e o sal e misture com as mãos até formar uma massa. Sove numa bancada por 10 minutos ou até firme, suave e elástica.

Coloque a massa de volta na tigela e cubra com um pano de prato (úmido, se o dia estiver muito quente e seco). Deixe fermentar por 1h30-2h, até que a massa tenha dobrado de tamanho e um dedo ligeiramente pressionado na massa deixe sua marca.

Retire o ar da massa e a divida ao meio. Junte metade das azeitonas e do alecrim a cada porção de massa e sove até que esteja tudo bem incorporado. As azeitonas farão com que a massa fique pegajosa no começo, mas depois ela volta a ficar elástica.

Forme duas baguettes curtas, de uns 15 cm e deixe fermentar em uma bancada enfarinhada, cobertas por um pano de prato, por 20-30 minutos. Pré-aqueça o forno a 220ºC, com a pedra na grade do meio, se você usar uma.

Faça um corte no sentido do comprimento em cada pãozinho. Se não usar a pedra, coloque em uma assadeira e leve ao forno. Se usar, use uma pá de pizza para deslizar os pães para dentro do forno. Não é preciso espirrar água. Asse por 20 minutos, aproximadamente, ou até que os pães estejam crescidos, dourados e soem ocos quando se bater os nós dos dedos na parte de baixo deles. Deixe esfriar ligeiramente em uma grade antes de servir.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Salada de Grão de Bico com Pesto de Salsinha

Olha minha gente, aí vai mais uma saladinha para o início da semana. E esse pesto pode ser substituído pelo tradicional de manjericão para ser utilizado como molho de macarrão. Quem tem não cão, caça com gato mesmo, não é mesmo? Eu também não tinha pinole nem nozes e foi sem também! Esse é o barato da cozinha, mudar inventar, trocar...Eu costumo tirar a casca do grão de bico. Dá um certo trabalho, mas eu prefiro. Agora, não é mandatório. Cozinhem e usem do jeito de vocês! Fica ótimo com um franguinho assado/carne/peixe. Pode misturar atum, sardinha e já vira prato principal para um almoço rápido.






Receita

2 xícaras de chá de grão de bico

½ de cebola

1 dente de alho

6 ramos de salsinha

Cebolinha a gosto (picadinha)

½ xícara de chá de azeite

½ xícara de chá de queijo ralado

Pimenta do reino e sal a gosto



Deixar o grão de bico de molho de um dia para o outro. Esfregar para sair a casca. Cozinhe na panela de pressão por 10 minutos ou na panela convencional por mais ou menos 40 minutos, até que ele esteja macio. Jogue água gelada para que interrompa o cozimento e também para que esfrie mais rápido. Reserve

Pique a cebola em pedacinhos pequenos. Reserve

Num processador (ou liquidificador) bata bem a salsinha (eu uso apenas as folhas) o azeite, o alho e o parmesão. Tempere com pimenta do reino e sal (cuidado pois o parmesão já é salgado).

Num recipiente misture o grão de bico, o pesto, a salsinha e a cebola. Sirva bem geladinho.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

“Vacalhau” ora, pois

Eu tinha um bacalhau já dessalgado esperando para ir ao forno. Minha dispensa está quase vazia e na horta também não me restava muita opção. Desespero total?? Não... comecei a procurar inspiração nos blogs que curto e achei uma receitinha aqui no Cozinha Travessa que veio bem a calhar. Ficou divino!!! Acrescentei alguns ingredientes, mudei as quantidades.. mas apenas para adaptar ao gosto da minha casa. Tenho certeza que se a receita da Dani for seguida ao pé da letra vai ficar divina.



Bacalhau com Farofa de Castanha de Cajú e Alho (para 2 pessoas)



2 postas de bacalhau (já dessalgado) aprox. 400 gramas

2 batatas inglesas

1 cebola cortada em rodelas finas

Azeite

Para a farofa

50 gramas de castanha de caju (triturada) – eu triturei com a faca mesmo. Gosto dos pedacinhos

6 dentes de alho picados

3 ramos de salsinha bem picadinhos

Pimenta branca a gosto

Azeite (o suficiente para unir todos os ingredientes)



Misture todos os ingredientes da farofa e reserve.

Descasque e corte as batatas em rodelas de 1 cm de espessura. Cozinhe em bastante água até que fiquem “al dente”. Escorra e reserve.

Num refratário coloque uma camada de cebolas, depois as batatas e depois o bacalhau. Com as mãos, coloque a farofa de castanha e alho sobre o bacalhau. Regue com bastante azeite.

Leve coberto com um papel laminado ao forno pré-aquecido por 30 minutos. Retire o papel laminado e deixe no forno por mais 10 minutos.

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Papilotte

Oi!! Essa é a continuação do jantar do blog anterior. Sei que esta técnica de cocção é mais do que batida. Mas este blog foi criado com alguns objetivos e além de tentar trazer coisas inéditas para vocês eu queria poder levar idéias. Espero que curtam pois o tempo de preparo deste prato é muito rápido, no máximo 40 minutos!



Peixe no Papilotte



2 ou 3 filets de badejo/merluza ou qualquer outro peixe de carne branca

½ molho de espinafre (somente as folhas)

1 xícara de vinho branco

Papel alumínio

Pimenta branca

Azeite

Sal



Pré-aqueça o forno a mais ou menos 250 C°. Corte pedaços de papel alumio em tamanho suficiente para caber um montinho de espinafre, o peixe e ainda fechar (uns 30 cm). Lembro para colocar 1 porção em cada papel alumínio. Coloque em cada trouxinha, espinafre e peixe suficientes para 1 pessoa.

Tempere o peixe com sal e pimenta. Numa assadeira coloque o papel alumínio e arrume um montinho de espinafre e tempere com sal, pimenta e azeite. Sobre o espinafre coloque os filets de peixe. Joque um pouco de vinho e azeite e feche bem a trouxinha.

Faça esse procedimento com as demais porções. Leve ao forno por mais ou menos 20 minutos.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Salada Oriental

Então gente. Já disse aqui que andam me pedindo comidinhas saudáveis. Essa aqui é para atender a esses pedidos. Essa receita foi inspirada numa salada de um restaurante do Rio de Janeiro que eu adoro: o Gula Gula. Confesso que até procurei na web a receita, mas não achei. Assim, peguei os principais elementos e fiz. Agora, a dica da maçã ralada no molho shoyo é fantástica e nem sei se esse restaurante faz desse jeito. Aprendi isso em um outro restaurante em São Paulo (que nem me lembro o nome) Dá um boa quebrada no gosto forte e salgado do shoyo. E o amendoim, hein? Dá uma crocância especial ao prato. Eu fiz esta salada para comer com um peixinho delicioso! No próximo post eu mostro como fiz o peixinho e o conjunto da obra!



Salada 7 Cereais





2 xícaras de chá de arroz 7 cereais ( a marca que usei foi “Ráris”)

1 cenoura ralada bem fininha

1 abobrinha italiana cortada em mínimos quadradinhos

Amendoim torrado sem casca

1 fio de Azeite

Para o molho

3/4 de xícara de molho shoyo

¼ de xícara de água filtrada

½ maça bem raladinha

1 colher de chá de gengibre fresco ralado



Cozinhe o arroz conforme instruções da embalagem. Dessa marca a medida é 3 e ½ xícaras de água para 1 de arroz. Eu não pus sal, já que o shoyo já é bastante salgado por si só. Reserve

Numa frigideira, coloque o azeite e cozinhe rapidamente a abobrinha. Como elas estão bem pequeninas, em no Maximo 2 minutos elas já estarão cozidas.

Misture todos os ingredientes do molho e prove o sal. Se estiver muito salgado ainda, rale mais maça e adicione mais água.

Deixe o arroz e a abobrinha esfriarem. Quando tudo estiver em temperatura ambiente, misture o molho com o arroz, com os legumes e coloque na geladeira.

Quando for servir, salpique com o amendoim e deixe-o à mesa para quem quiser mais.

domingo, 26 de setembro de 2010

Cuca - Lembranças da Adolescência

Cheguei na fazenda esta semana e encontrei dúzias e mais dúzias de bananas em cima da mesa da cozinha. Imediatamente pensei que tinha que fazer algo com as bananas... E me lembrei desta Cuca a Neusa (secretária do lar que já virou da família), que ainda trabalha para o meu pai fazia com tanto carinho para mim.

A Neusa está na família há uns 22 anos, veio “importada” do Paraná para o Rio de Janeiro e adorava fazer este bolinho.
Em homenagem a minha querida Neusa com um pouco de saudosismo da minha adolescência aí vai a minha receitinha. Fiz algumas adaptações como diminuir a quantidade de ovos e substituir um pouco da farinha de trigo por aveia. Valeu a pena as trocas!!!
Quando ficou pronto eu logo pensei que ficaria divinamente bom com um sorvete de canela. Pena que eu não tinha por aqui....:(((



Cuca de Banana



1 xícara de chá de açúcar

100 gramas de margarina

3 ovos

½ xícara de chá de leite

1 xícara de de chá de farinha de trigo

1 xícara de chá de aveia (se não quiser, use 2 de farinha de trigo)

10 bananas nanicas maduras

Açúcar e canela a gosto



Numa batedeira, misture a margarina, o açúcar e os ovos. Junte o leite e adicione a farinha, aveia e o fermento. Unte e enfarinhe um tabuleiro médio. Coloque a massa no tabuleiro e disponha as bananas cortadas em fatias no sentido horizontal. Polvilhe canela e açúcar por cima.
Leve ao forno pré-aquecido em temperatura média par alta por 25-30 minutos
Corte e quadradinhos e sirva quente ou frio!!!